Trastejando

Tudo o que eu quero é um acorde perfeito maior.

Tudo outra vez

Escrito em 23/05/2013 | 0 comentários

Ameixa e JackUma das gravações que eu fiz em 2005. Na época eu estava trabalhando embarcado na P-47, preso no meio do mar durante 15 dias. To contando essa história aqui. Mas agora eu falo sobre o processo da gravação em si.

Meu equipamento da época:

  • Um já velho e ultrapassado programa Vegas Sound Studio;
  • Um velho Pentium 3 1GHz, com uma placa Soundblaster 16bits genérica;
  • Um microfone Shure sm57;
  • Uma mesinha de som Staner de 4 canais;
  • Um violão de cordas de aço Ovation Applause AE-28, que eu chamo de “Ameixa”.

A gravação foi do modo mais intuitivo possível — gravei uma trilha de voz no microfone, mais um violão de base e um violão de “complementos” diretamente na mesa de som. Me lembro que tentei dar uma mexida no volume deste segundo violão na hora do solo principal, pra dar mais presença. Deu tudo errado, eu errei os comandos de normalização da trilha, o volume estourou e eu ainda salvei por cima, estragando essa parte definitivamente. Tentei gravar de novo pra corrigir, gravei 10 takes com um solo novo e não gostei de nenhum. Aí peguei aquele primeiro take com o áudio estragado, apliquei de novo as correções de volume (por cima das antigas) e ficou como está. Hoje eu entendo que criei um efeito de overdrive (a distorção das guitarras) sem querer; é o mesmo princípio dos pedais de guitarra, comprimir e realimentar o sinal. Acho que ficou legal; só não ficou um violão natural… E eu também nunca mais consegui reproduzir esse efeito em nenhuma outra gravação, hehehe.

Quem quiser baixar, tá aqui.

 

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: